::Repertório

O Impublicável voltou

Quais são seus assuntos? Sobre o que você fala? Qual o rumo da sua prosa? Você fala sobre o que pensa? E como estão seus pensamentos? Estão indo bem, tudo certinho e saudável? Quem são seus interlocutores? Sobre o que falam? Os assuntos deles, quais são as ideias que eles despertam em você?

O que nós expressamos tem a ver com a maneira como equacionamos as emoções e os pensamentos. Os diálogos, as leituras e tudo o que nos chega pelos sentidos ajudam a definir o que pensamos e como vivemos.

Eu penso e falo muito rápido. Nunca falo sem pensar, é que o processo acontece em frações do seu segundo. Por isso, tomo muito cuidado com o que consumo, filtro muito tudo o que toca o meu psiquismo. Pessoas, assuntos, notícias e imagens, principalmente. Só boas imagens para mim, por favor.

Criei o Impublicável em 2008 para dar vazão à sobrecarga dos acontecimentos. Era um blog secreto, sem leitores e ficou assim por 1 ano. Parei em 2012, porque a vida ficou impublicável demais.

Escrevendo eu me descobri e me embrenhei de uma tal forma que me desvencilhei ao mesmo tempo, como mágica, e acabei curando um monte de coisas. Também apurei a técnica de redação e criação, que era o objetivo secundário de luxo. Fiquei especialista em entrelinhas. Técnica, técnica, técnica. Foi um processo de autoconhecimento que mudou tudo. Ressignifiquei a minha vida, as minhas escolhas, os meus estudos e as minhas companhias.

No Impublicável, eu me expus de preferência pelo lado avesso e agora o avesso tá muito diferente, está impublicável.

Por temperamento, eu falo sobre qualquer coisa, sem medo, tabu. Costumo falar muito sobre o que ninguém fala e vou direto ao assunto. Vejo com muita clareza o verso do bordado, o arremate da costura. Qual a natureza dessa autenticidade toda, afinal? Que verdade é essa? Por dentro, sou o raio-x em 3D, o papel higiênico colado na sola do sapato no meio do coquetel chique, o incômodo de receber visita com a casa toda bagunçada. Por que tanto medo, afinal?

Com o novo Impublicável, quero criar um espaço bem limpinho pra expor algumas sujeiras e também algumas descobertas. O espetáculo trará meu próprio ridículo desfilado sem verniz, com lente de aumento e com muito humor. Só sei fazer assim. Sou a própria mão que bate e assopra. No acúmulo de frustrações, fiquei craque em recalcular a rota, ressignificar, redescobrir funcionalidades na falência. Tanto que acho bom as coisas não melhorarem muito, porque o ego está treinado, meditado, analisado e tonificado. Respira, respira, respira.

Hoje comemoro 19 anos trabalhando como tradutora e revisora em localização de software. Hoje também é aniversário da MH, minha querida analista, a maior incentivadora para a criação desse espaço. “Escreve, Daniela!” São 14 anos de análise e muitas confusões. Adoro o processo, adoro a minha melhor interlocutora, a dona do divã magnífico que é o palco de incertezas, absurdos e vergonhas que jorram com pouco freio. O Impublicável será a extensão desse divã, aberto 24 horas, com ou sem espectadores. Alguns virão sempre, outros jamais. Não tem problema, não há mesmo nada pra ver aqui. Muita coisa me incomoda e quase nada me ofende.

Estou muito feliz por relançar meu site, por voltar a escrever. Estou sem ar e com fôlego, preparada e apavorada. Venham cremosos e achocolatados. Com o tempo, mostro algumas novidades. Em breve, tudo ficará mais Impublicável ainda.

Deixe seu comentário

Uma resposta para “::Repertório”

  1. Cristina disse:

    Vida longa ao Impublicável! Seja bem-vinda de volta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *